sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Coitadinho não, mas também não é por aí...

Encaminhei esta mensagem ao Editorial da Revista Veja, em nome da minha indignação ao artigo "Professor não é coitadinho", de Gustavo Ioschpe.
 

Olá Gustavo, sou funcionária pública municipal (Inspetora de Alunos) em Martinópolis Sp, e sou universitária, cursando Ciências Contábeis.

Li seu artigo na ultima edição da revista veja, concordei em um aspecto. Realmente a midia atribui enfase excessiva para as escolas montadas com lonas. Mas no restante da materia achei estranho algumas colocações, como a superlotação na sala de aula, já que na escola onde eu trabalho, muito conceituada na cidade as salas tem, este ano, em média 35 alunos. Isso não é considerado superlotação?

Quanto a colaboração dos pais e da comunidade é um assunto que sinto na pele, já ouvi pais, ao procura-los, pedirem para que eu fosse para o inferno e levasse o seu filhinho junto. Posso chamar isso de colaboração?

Mas o paragrafo que mais chamou minha atenção foi aquele em que a porcentagem mostra que apenas 5% dos professores já viram uma arma de fogo na escola, e uma outra porcentagem "irrelevante" sofreu ameaças. Quantas armas precisam ser vistas e quantas ameaças precisam ser sofridas para que o professor tenha direito de lutar por uma educação mais digna? Por um salario melhor? Eu sou filha de professora, e a renda é "tão alta" que precisei entrar na area da educação para ter condições financeiras de cursar uma faculdade.
E digo com muita dignidade, um aprendizado enorme estar de frente com esse mundo, pois poderia ser eu, mais uma leiga ao ler seu artigo e achar que a EDUCAÇÃO vai bem obrigada. Se você procurar em reportagens no interior de São Paulo, vai saber que esta semana uma professora foi morta em um acampamento escolar na cidade de Rosana. Caso queira mais informações posso te enviar em anexos.
Abraços



Um comentário:

prof_de disse...

Concordo com vc!!!! Valeu a resposta!
Quem é professor por opção (como eu!) sabe q a rotina não é bem como ele descreve....